23.5.09

música por excelência

Já lá vai o tempo em que comprar discos e passar tardes inteiras simplesmente a ouvir música era um desporto comum. Absorvíamos cada faixa até que nenhum pequeno detalhe nos escapásse. Hoje a oferta é sem dúvida muito maior, mas também extremamente duvidosa (no que trata à sua divulgação). A unidade de medida mudou, o digipack passou a Gb, e 18 faixas passaram para 2490 músicas, 7,4 dias de reprodução (segundo o meu iTunes).

Também me considero vítima deste meio, já faz muito tempo que não me dedico tão ferozmente em vasculhar álbums a mim desconhecidos que me encaminham e reencaminham para outros mais profundos. Contudo, pontualmente tenho a sorte de encontrar pessoas que me vão elucidando para o que se passa em meu  redor, complementando a minha fome musical, fazendo-me não parar.

Ontem, a convite de casal austríaco, amigo da família, tive um destes momentos enriquecedores, onde a experiencia de uns é a descoberta de outros. Um jantar delicioso, acompanhado por bons vinhos italianos e conversas muito interessantes, descolando em África, passando pela Ásia e terminando com música clássica. 

É globalmente conhecido que a Áustria esteve sempre associada a movimentos de música clássica, sendo este um dos grandes orgulhos nacionais. E se ao longo da minha vida mostrei interesse em apreciar música clássica, mas sempre com resultados falhados, Graz coloca-me num bom ângulo para "marcar um golo" (como diz o meu pai).

E se é de pequeno que se aprende, também eu, uma criança tenho de começar por algum lado. Mostraram-me "Peter and the Fox"(1), uma história infantil composta por Sergei Prokofiev em 1936, com o objectivo pedagógico de mostrar às crianças as sonoridades dos diversos instrumentos. Cada personagem na história é representada por um instrumento diferente. Começamos por entender qual a parte de cada "personagem" no conjunto de uma orquestra. Relacionei logo esta peça com um filme que vi vezes sem conta quando era mais novo: Fantasia de 1940. Baseado nos mesmos princípios de Peter and the Fox, mas neste caso animações são acompanhadas com música clássica.


The Sorcerer's Apprentice, excerto do filme "Fantasia" 1940

Continuamos com dois compositores checos: Antonín Dvořák  e a sua Symphony No. 9  e Bedřich Smetana com Moldau, ambos conduzidos por Herbert Von Karajan e tocado pela The Wiener Philharmoniker.(2) Houve Opera com Il barbiere di Siviglia de  Gioachino Rossini, contudo não anotei que gravação era. Passado algumas horas terminamos na Áustria com Mozart e Clarinet Concerto(3), álbum que imortalizou a banda sonora de Out of Africa em 1985. (podem ouvir o tema no posto de escuta do blog)

(1)Prokofiev: Peter & the Wolf / Saint-Saens: The Carnival of the Animals por Leonard Bernstein and the New York Philharmonic. (1982)
(2) Antonín Dvořák  e a sua Symphony No. 9 e Bedřich Smetana com Moldau, conduzido por Herbert Von Karajan e tocado pela The Wiener Philharmoniker. (1985)
(3) Clarinet Concerto, Flute Concerto no. 1 (Böhm) - Wolfgang Amadeus Mozart (1974)

Foi um fim de tarde extremamente enriquecedor e motivante. Oxalá todos os fins de tarde fossem assim. 
Se a internet é um excelente meio de comunicação, que seja usado para divulgar. Como o Eduardo me está sempre a dizer: Quantidade não significa qualidade, mas pode significar diversidade. Temos é de saber seleccionar bem o que queremos desta diversidade e usá-la para nos conhecermos melhor.

Michi und Verena - Vielen Dank, für das wunderbare Abendessen

2 comentários:

margarida. disse...

é isso.

Daniel D. Pereira disse...

tu és má pessoa.. enhhhhhh